domingo, 28 de outubro de 2012

Reciclando

Todos da família concordavam: ele tomava muito refrigerante. Eram sempre garrafas de dois litros, um hábito nada saudável que só havia piorado nos últimos anos.
Ele era tão novo e, de novo, todos da família reclamavam. Mas ele não ligava, e colecionava as embalagens PET com orgulho pelo volume consumido. Até aí, apenas mais um conflito familiar, um problema de obesidade, maus hábitos alimentares e uma certas aderência à moda das embalagens gigantes.
Aos poucos, além da preocupação com a saúde, apareceu uma questão bastante prática: onde achar espaço para guardar todas aquelas embalagens vazias. Amontoando-se por todos os cantos, elas começavam realmente a incomodar.
E foi em um trabalho de escola que o sobrinho mais velho encontrou a solução. Fez alguns itens com garrafas pet recicladas e chegou em casa com a novidade. No início, todos acharam engraçado mas não perceberam que poderia ser uma saída sustentável a longo prazo, sem querer brincar com o trocadilho.

Mesmo assim, começaram a brincar com a ideia, fazer alguns itens como bichinhos e chapéus, que o próprio sobrinho vendia nos dias da feira. Depois, com o acúmulo das garrafas começando de fato a atrapalhar a circulação interna, iniciaram projetos para usar mais garrafas, como poltronas e mesinhas, itens de decoração que não só eram vendidos como passaram a substituir os móveis velhos pelas criações coletivas.

E o próprio consumidor desvairado, aquele que havia criado essa necessidade, passou a se interessar pelo projeto familiar, montar os móveis, levá-los para vender, andando de um lado para o outro, esquecendo a sua compulsão por refrierantes. Pensando em alternativas mais radicais, montou divisórias para ambientes e toda a sorte de itens que consumiram o estoque de garrafas PET.

Negócio em expansão, começaram a comprar as garrafas, fizeram uma parceria com uma ONG, entraram no ramo da decoração sem lembrar mais, àquela altura, o fato gerador bizarro que tinha sido o fato propulsor de um negócio tão lucrativo e criativo.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário